Publicidade

Publieditoriais

Diálogo é o caminho para conhecer e desmistificar o novo


Postada em 05/11/2019 às 11:29
Por Apresentado pela Home Hotel Hostess

Freepik

O termo disruptivo nunca esteve tão em alta como agora. Seu significado é entendido como quebra de padrões. Geralmente são inovações que estabelecem novos pontos de vista, simplificam, modernizam ou revolucionam algo que já existia. A Netflix é um bom exemplo de tecnologia que mudou o comportamento de muitas pessoas. Lutar contra isso é nadar contra a maré.


Em condomínios, as plataformas de hospedagem casam bem com este assunto. É um tipo de serviço que vem ganhando cada vez mais adeptos – tanto de hóspedes quanto de proprietários – e ainda não há uma legislação definida que norteie o síndico, afinal, ele é o responsável legal pelo prédio e responde por tudo o que acontece ali.


São os próprios donos dos apartamentos que disponibilizam os imóveis para locação em aplicativos de hospedagem, o que pode levar a alguns confrontos com as regras dos condomínios. Para facilitar esse diálogo e diminuir quaisquer tipos de atritos há empresas responsáveis por administrar locações de apartamentos para curta temporada, de 1 a 90 dias, como a Home Hotel Hostess. Nesse esquema de aluguel, o proprietário terceiriza suas funções de locador para a prestadora de serviço e toda a comunicação e execução passam a ser responsabilidade dela.


“A boa relação com síndicos e condôminos é primordial para a operação. Por isso, durante a negociação com os proprietários, temos como parte do processo conhecer o prédio e entender o que podemos e devemos fazer para deixar a locação de curta temporada segura e tranquila. Isso inclui saber tudo que precisa ser enviado para liberação de um hóspede, entender como é feito o controle de acesso do prédio e, de acordo com a demanda de cada empreendimento, adaptar a operação. Além disso, nos responsabilizamos por deixar todas as regras do condomínio muito claras ao hóspede e cobramos caso necessário”, diz Leticia Manoel, sócia diretora da empresa.


Prova de que a intenção da Home Hotel Hostess é proporcionar um ambiente harmonioso e funcional dentro dos condomínios é o número de conflitos que já foram contabilizados nos últimos dois anos de execução. “Em 11 mil locações, tivemos somente três casos problemáticos, mas que foram rapidamente resolvidos. Isso representou 0,0002% das operações até agora.”


Assim como todas as inovações, o serviço é acompanhado de perto pela tecnologia. Por meio da instalação de uma fechadura eletrônica, a administradora procura oferecer segurança para o proprietário, hóspede e moradores
do condomínio. “Geramos uma senha randômica para uso exclusivo de cada hóspede e no momento que sua estadia acaba ela é invalidada. Dessa forma, garantimos que ninguém entre sem autorização no apartamento ou fora do período o qual contratou o serviço.”


Assim como qualquer novidade, o diálogo é a chave para desmistificar o que é desconhecido. Uma coisa é certa: a segurança e o bemestar jamais devem ser colocados em segundo plano. Estabelecido isso, o caminho é sem volta. Até porque, uma vez que os padrões são quebrados para facilitar a vida da sociedade – que pede por isso –, voltar ao que era antes é praticamente impossível.