Publicidade

Artigos

Drenagem em subsolos


Postada em 05/11/2019 às 11:43
Por Michelle Pires de Albuquerque*

Pixabay

Com o crescimento das cidades tornam-se cada vez mais insuficientes e custosas as áreas disponíveis para implantação de empreendimentos comerciais e residenciais. Assim, os projetos de arquitetura são idealizados visando o aproveitamento máximo das áreas de subsolos, que geralmente são empregadas como soluções para estacionamento.


Os subsolos de edificações são bastante afetados pela água, pois estão sujeitos a maiores concentrações de chuvas e sofrem influência do lençol freático. Sabe-se que a água é uma das principais causas dos problemas de engenharia e da deterioração prematura das obras civis. Assim, são necessários dispositivos de drenagem adequados que permitam a captação e condução da água, impedindo o incremento das pressões hidrostáticas. Em um subsolo de edificação, sistemas de drenagens devem ser previstos nas paredes e também na laje do local.


Uma solução para sistemas de drenagens em subsolos de condomínios é a adoção do geocomposto drenante BidimDren®, que é formado por um geotêxtil não tecido com a finalidade de filtração e retenção de partículas associado a um núcleo drenante de HDPE, em formato “caixa de ovo”, que possui alta resistência à compressão e à ação de agentes químicos. Sua finalidade é a de captar e conduzir a água de maneira segura e contínua, tanto em aplicações verticais (muros e contenções) quanto horizontais (lajes).


A adoção deste geocomposto é vantajosa em comparação com as demais técnicas convencionais de drenagem, pois gera um menor impacto ambiental ao reduzir a necessidade de materiais pétreos não renováveis e apresentar, em geral, menores custos para os empreendimentos.


Outra vantagem do produto é que o geocomposto se adapta à geometria do local de aplicação e não necessita de mão de obra especializada, além de apresentar rápida execução. No longo prazo, sistemas de drenagem com a utilização de BidimDren® apresentam uma maior vida útil e um menor custo de manutenção.


*Michelle Pires de Albuquerque é engenheira Técnica Comercial da Bidim


 Clique aqui para fazer o download gratuito da revista.